Home / Plano de Aula / Saiba o que é o método fônico de alfabetização

Saiba o que é o método fônico de alfabetização

O arranjo seqüencial da Língua Portuguesa é composto de 26 letras, entre vogais e consoantes. A partir deles, os fonemas são moldados, estruturas que usamos para expressar e articular cada palavra que compõe o nosso vocabulário.

O aprendizado do conjunto de letras e a consequente leitura das palavras chama-se educação. Uma das reações incríveis dos profissionais é sobre a educação mecânica das letras, demonstrando-as em um método livre, fútil e desvinculado para o mundo real.

Uma das técnicas destinadas a combater a educação regular é a estratégia fônica. Nele, o educador de proficiência estimulará a atenção plena fonêmica com sucesso, desde que seja muito utilizada. Aprenda mais sobre este modo!

O que é o método fônico de alfabetização?

O método fônico de alfabetização é o sistema de ensinar os sons da primeira letra de cada palavra. A partir daí, a pronúncia completa da palavra é construída a partir da mistura de cada som, permitindo que a criança leia cada palavra.

O surgimento desse tipo de alfabetização surgiu como mais uma crítica ao alfabeto ou método de escrita, majoritariamente até os anos 80. Mas como exatamente o método fônico funciona?

O objetivo do método fônico é ensinar os sons de letras e fonemas antes de simplesmente entregar o livro a uma criança para ler. Quando alguns deles foram apreendidos, o próximo passo é combiná-los para construir uma palavra.

Os principais objetivos do método fônico de alfabetização são:

mostre a criança que cada palavra tem um som diferente
relacionar as letras que representam certos fonemas
quando você precisa alterar uma ou mais letras para formar uma palavra diferente
identificar os sons que cada letra representa e juntá-los para ler

Em suma, o método fônico é qualquer sistema de alfabetização que relacione fonemas e grafemas. Existem várias maneiras de aplicá-lo, e os mais eficazes beneficiam todos os tipos de alunos, especialmente quando aplicados sistematicamente, não casualmente.

Sua aplicação na sala de aula deve ter como suporte diferentes materiais didáticos, como alfabetos móveis, letras, textos desenvolvidos por critérios semânticos, tokens e listas de palavras.

Passo a passo do método fônico de alfabetização

O passo inicial da técnica fônica para proficiência é a instrução de cartas por meio de seus filhos. Inicia-se o predeterminado para as máquinas introduzidas para ajudar a criança pequena o dialeto atual entre grafia e fonema, letra e som.

Funciona assim: o educador educador é uma carta e como soa. Daquele ponto em diante, ele se refere a modelos de coisas previamente ditas na classe de negócios, exatamente, com as letras com as quais está trabalhando.

Para tornar o aprendizado, é intrigante pedir que o tyke refaça o som, particularmente depois que o educador compõe a carta no quadro. A seguir vem uma mistura de crianças, que deve ser possível antes de colocar as letras inteiras em ordem.

No momento em que o educador de proficiência entende que um jovem tem uma parte decente dos fonemas, uma recomendação é utilizar letras em movimento em ordem, ou letras livres, solicitando que o substituto apresente as palavras. Nesse ponto, ele deve ser encorajado a articular o som de cada letra, uma a uma.

Nesse ponto, a revista consolida os sons que articulou com o objetivo final de criar uma palavra inteira. O ideal é usar, para a palavra inicial, direta, no máximo, duas sílabas, até o ponto em que você sinta a segurança de trazer as palavras maiores.

Com o desenvolvimento do substituto, o proficiente com as palavras mais complexas, com dígrafos, entre as distinções, entre diferentes características do nosso dialeto. A avaliação do aprimoramento da aprendizagem é a capacidade de examinar os alunos em formação.

Quanto tempo leva o método fônico de alfabetização?

Como qualquer procedimento de proficiência, a estratégia fônica não é demonstrar sons e imagens ao jovem. É vital que o instrutor de educação mantenha-se no topo da lista de prioridades, este é um procedimento complexo feito de dificuldades de espancamento.

Há três deles, abrangente, que o garoto precisa derrotar com o objetivo final de descobrir como examinar. Eles são a revelação do padrão de ordem sequencial, isto é, descobrir como as palavras são enquadradas; descobrir como codificar, a conexão para remover os sons; e, pegue na regra ortográfica.

A última compreende reconhecer quais são os padrões que supervisionam a grafia das palavras. O arranjo das dificuldades citadas justifica o aprimoramento da atenção plena fonêmica, quando a criança distingue os sons que enquadram uma palavra.

Além disso, por que razão é essencial revigorar esse avanço? Já que sem ele, o substituto acredita que as palavras são ilustrações e, ao contrário de aprendê-las, ele apenas as aprimora, restringindo seu próprio vocabulário.

Utilizando a metodologia e os projetos com precisão, o educador da educação verá que o jovem desenvolve seu próprio vocabulário e articulação. Algumas misturas, incluindo as mais complexas, podem ser educadas em alguns meses.

O normal é que um jovem proficiente pela técnica fônica tenha resultados finais entre quatro e meio ano. A partir desse ponto, você pode solicitar que os escritos dela sejam mais incompreensíveis e mudados, até mesmo autonomamente.

Decompondo palavras:

O adulto recebe a criança para brincar. Ele pode começar dizendo “Vou falar uma palavra em duas seções, e você descobrirá qual palavra eu quero dizer.” O adulto analisa cada palavra, articulando cada parte de forma inconfundível, parando entre as duas seções.

Por exemplo: PAPA_gAiO = PAPAgAiO. Outro precedente: teLe_visãO = teLevisãO.

Nesse ponto, você deve receber a criança para encontrar as seguintes palavras. Pode-se falar uma seção e a outra a segunda parte, ou o adulto pode utilizar uma boneca para ser o “cúmplice” da piada. O objetivo é fazer com que o jovem descubra qual palavra é composta nos modelos que o acompanham: elefante, novato, marinheiro, bicicleta, corda, contorno, labareda.

Os sons dos nossos nomes

O adulto revela ao jovem que os nomes têm pedaços menores e pode afirmar: “agora você vai descobrir como aplaudir para isolar as diferentes partes ou partes dos nomes de seus associados”.

Por exemplo: o nome Ernesto (escolha um nome de um pequeno companheiro ou parente). Fazemos assim: er (palm) nes (palma) a (palma) “.

Nesse ponto, o tyke recebe o equivalente com seu próprio nome. Nesse ponto, reescreva mais nomes de colegas de escola ou parentes. O objetivo é demonstrar que alguns nomes possuem diversas quantidades de palmeiras. Depois de demonstrar essa distinção, ele deve fazer isso tudo junto:

nomes com duas sílabas (Al-fa, Be-to, Ma-ra, Ti-to e assim por diante).

nomes com três sílabas (Ma-ri-a, Fer-nan-do, Ro-ber-to)

nomes com mais de quatro sílabas: (Da-go-ber-para, Fe-lis-ber-para, Ca-ta-ri-na e assim por diante.)

O jovem deve compreender que uma palavra tem um som próprio, mas dentro dela há alguns sons diferentes.

Quais são os projetos atuais?

No Brasil, o educador de proficiência pode localizar os programas de educação fonética que o acompanham:

“Educação: estratégia fônica” por Alessandra G. Capovilla, professora da USP

“Educação com as Boquinhas” de Renata Jardini

“História da Abelha” de Almira Sampaio Brasil da Silva, conhecida como “Estratégia para a Abelha”

“História da Casa Alegre” de Iracema Meireles, chamada “Método Iracema Meireles”

About admin

Check Also

O que fazer para combater e evitar a prática de bullying?

Demonstrações de selvageria, por exemplo, atormentar, podem danificar pessoas exploradas, bem como observadores e associados. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *